segunda-feira, 4 de maio de 2009

Uma nova sociedade

Uma nova sociedade não se fará enquanto perdurarem os valores desencontrados que hoje persistem em mantendo hipócritas e distintas intenções de quem os pratica em relação aos demais, segregados e seletos, em diversas caras em uma mesma casa. Os homens de hoje se suportam uns aos outros, e seguindo aos ricos e desprezando aos pobres sempre encontrará uma brecha para desejar ao rico que fique pobre e ensejar do pobre que enriqueça. Os sentimentos que o movem são apenas o de inveja, invejando dos ricos o poder, e vingança, feita por mãos alheias ou mesmo pelo destino. A bondade nisso aparece numa ironia, pois que é bondade querer que o amigo pobre suba na vida, mas assim que lá ele estiver não nos apercebemos que, por não nos darem o crédito devido, passamos a odiá-los também. É a preguiça que nos causa o indolente da atitude. Talvez nos preservemos, inconscientemente, descansando, para melhor exercitarmos, ao vencermos, nossas luxúrias.

Falo por mim, evidentemente, mas também pelo que sinto e vejo de meus amados ao redor de mim e percebo que vale para qualquer um. A um homem de poder tudo é permitido com sorrisos e a um homem carente todos os olhares lhe são hostis.

Como mudar isso?

Mudando fé e valor. Fé é valor.

Cor é valor. Mudar cor não seria de todo mal, mas não é coisa para a Ciência de agora, que embora já o possa fazer, não encontrará tão cedo plena aceitação popular de que todo mundo é azul... e ainda assim terá que se preocupar com os tons.

Vida é valor. Pode-se mudar a vida, dividir melhor o mundo.

E todo homem tem direito à sua fé, cor e vida.

A guerra não respeita vidas, enegrece cores e se diz, muitas vezes, de ser feita em nome de fé.

Fé em que?, eu pergunto.

No amor?

A que?

A quem?

A um povo?

Há um escolhido?

Não é essa a questão que nos atormenta?

O homem, sendo uma chama de luz que se acende de uma faísca, e curta, apesar de bela e forte, ainda não entendeu quem, ou o que, ele é.

A filosofia existe para definir parametros assim, e a luz, por mais etérea que seja, dá consistência à matéria, afastando-se dela. Não é difícil a gente perceber que é o calor a fonte de toda essa vibração. Um átomo que viaje à velocidade da luz é tão incompreensível à vida que toda ela é capaz de se dividir sem jamais perceber que nada do que existe é real.

O fogo, para ser dominado, precisa de ferramentas capazes de mover o sol e é muita arrogância do homem moderno achar que no passado o homem foi capaz de tal proeza sem nem mesmo aventar a possibilidade de fazê-lo aqui, para nos melhorar o futuro logo ali. Dizer que dominar o fogo é apagar incêndio em floresta é fácil depois que a floresta toda se queimou não há mais o que queimar. Areia não pega fogo, sabemos.

A aceitação, pela Ciência, de que há uma força inteligente no início e propósito da vida, não irá nos diminuir os valores que temos, ao contrário, fará com que passemos a nos enxergar como realmente partícipes e importantes, todos, e integrantes, de um mundo novo, onde cada ser presente na Terra é parte, integrante e inteligente, da vida da Terra.

A Terra sendo vista como uma célula com 6,75 bilhões de DNA's divididos, pela natureza, até aqui, nos permitirá entendermos que nós não estamos na Terra, nós somos individualmente, cada ser vivo, um fragmento, percentual, do seu corpo. Somos, a sociedade, um bicho e cheio de cabeças, em crescimento e em perpétuo movimento de integração.

Nosso objetivo em nos valorarmos, ao Universo, por igual, é que nos enxerguemos como igualmente importantes, cada um, ao bicho que nos permite esse pequeno "estar" humano. Não "somos" humanos. Não somos um ser, somos o mesmo ser, todos nós, em mutação. O que nos separa uns dos outros são os nossos anseios mas principalmente as nossas necessidades.

O rico precisa do helicóptero, o pobre não. Sem hipocrisia, responda-me:
- Qual é a diferença, em valor, da vida de um rico e da de um pobre?
a) aos olhos do Universo.
b) aos olhos de Deus.
c) aos olhos teus.

O pobre, sem helicóptero, morre mais rápido.
O rico, de helicóptero, morre também.

Não sei o que propor mais. Sou um ser evoluído e me chamam de filhote de macaco.

Talvez rachar a Terra no meio seja uma boa idéia. Com a formação de dois novos planetas, menores e mais distantes, talvez fique melhor vivermos. Cada um escolhe o seu, e dividimos a sociedade em dois. Os bons e os maus. Os bons vão para Berra e os maus para a Serra, assim ninguém mais erra e a gente acaba com a guerra.

Existe uma solução: cada homem que se sentir filho de Deus, por Sua demora em nos atender, assume aqui na Terra o posto e cuida do que é seu. Filho de peixe nasce peixe e filho de macaco nunca nasceu homem. Não se pode provar tal idiotice sem imaginar que o macaco não nasceu do jacaré sem nem mesmo considerar que ambos e tudo e todos viemos antes de um vegetal comum. Animal é a avó de Darwin, que me perdoe a boa senhora, eu não sou um animal, apesar da alma que tenho, mas seu neto foi longe demais. É muito mais fácil o macaco ter evoluído do homem que o contrário. O macaco é livre, o homem ainda não. Assim funciona a evolução e nunca, jamais, o contrário. O ansiado se conquista e essa é a ordem, primeiro se deseja, depois se realiza a obra. Começar casa pelo telhado nunca foi uma tarefa considerada inteligente, que eu saiba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem moderação torno-me responsável pelo que você diz, por isso, caso comente, publicarei depois de lido. Obrigado por compreender.