quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

ओवो उमा ova

Um ovo.
É um ser.
Um ovo faz uma lagarta, uma lagarta faz um casulo e uma borboleta nasce.
Um ovo faz um feto, um feto faz uma pessoa e a pessoa faz uma casa.
Um ovo faz um peixe, um peixe não faz nada e nada, mas não voa nem anda.
A lagarta rasteja, constrói, ou seja, anda, e voa, e até nadam, ela e a borboleta que dela se faz. A borboleta voa, a lagarta não. O bebê não anda, o humano sim.
Um ovo faz uma aranha, uma aranha constrói, com o corpo, suas armas, casas, e construções, e uma aranha nada, também anda, e pode-se dizer que quase voa. Aliás voa mesmo, porque se jogada de um avião é provável que chegará ao chão ainda tranquila e pousará agarrada a uma árvore. Seu tempo é outro, além do peso, forma e habilidades.
O ovo que faz o ser humano também tem, dentro de si, grande parte das mesmas instruções que tem o ovo da aranha, do peixe e da lagarta.
Também da árvore posso dizer, com razoavel aproximação, que uma semente é um ovo de árvore.
Uma semente de árvore faz uma árvore gigantesca cheia de sementes iguais e até mais bonitas, fortes e modernas, que ela própria.
Há algo mais a sabermos a respeito do ovo que apenas o seu DNA.
Afinal... se o DNA é um monte de letras formando palavras, e se tantas são as similaridades entre todos os filhos nascidos de ovos, é natural que um ovo mais inteligente que os outros tente saber como é que os ovos fazem para depois de terem ensinado aos fetos a nadarem debaixo d'água, e por tanto tempo, para aprender a respirar fora d'água sem perder a capacidade de voltar a se alimentar só no fundo do mar, assim não teríamos, talvez, tantos problemas com inundações, e ninguém mais morreria afogado.
Deve haver uma maneira de se ensinar ao pulmão a triturar água vitaminada e tirar dela o necessário e devido proveito em favor de nós próprios.
Acho que deviamos nos empenhar mais nisso, para aprendermos a voar temos que esquecer que sabemos andar. Talvez. Mas possível é.
Vai ver os Maias aprenderam, se não a voar, a nadar.
Fato é que sumiram.
Deixando memórias e cartas de aviso.
Não estariam com isso prevendo uma nova evolução ao ... terem mudado seus destinos ao evoluirem? Nâo é em degraus que Darwin disse que a vida evolue?
A um degrau é um abismo o que o separa do outro. Uma parede, reta e alta, mas se inalcançável, ao menos visualizável mentalmente e compreensivel também à mente, deve ser.
A evolução humana, segundo essas previsões, mudará, radicalmente, em 21/12/2012.
É o que dizem.
Acredito plausível.