segunda-feira, 21 de junho de 2010

lidas e vidas

Nas florestas e nos mares,
nas areias e nos ares,
nas teias e nos lares,
nas veias e nos bares,

o homem e seus pares,

de arestas e de dores,
entre feias e de cores,
das meias sem amores,
entre flores, sem valores...

Os seres e suas frestas,
sem saberes, apenas testas...
sem deveres, cheios e festas,
tantos quereres, vivas promessas,
éteres e vidas, e nestas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem moderação torno-me responsável pelo que você diz, por isso, caso comente, publicarei depois de lido. Obrigado por compreender.