sábado, 13 de fevereiro de 2010

Matemática

Um, eu, mais um, minha mulher, somos quatro e agora já cinco.
Como explicar essa matemática?
Uma célula, grande como um óvulo, e outra, pequena e insistente como o esperma... e cá estamos cada um de nós.
De onde viemos?
Do esperma que comeu todo o óvulo ou do óvulo que ... recebeu o esperma voraz?
Acho que, respeitadas as leis da natureza, há dois machos para para fêmea, e a maior característica do macho, digo por mim, é ter além de duas caras, dois universos, o dele próprio (que mantém num sonho único inatingível.... de ser o amor amante de todas as mulheres) e o de todas as mulheres, de terem nele o homem de suas vidas, apesar de amá-las todas, ter escolhido, entre elas (e são tantas) apenas uma.

Penso que negarmos que a luz é a fonte da matéria é o mesmo que negarmos que pensamento não tem matéria e portanto Deus não existe, já que só o que existe é material.
Acho que deviamos pensar melhor sobre isso.
Tudo, no Universo, tem centros.
Porque o Universo, apenas, não teria?
Acho estúpido a gente imaginar que a luz veio da escuridão, mas acho lógico na escuridão existir ... pensamento... além de razão.
Um nunca, JAMAIS, é igual ao outro.
Lógico, é que há, na vida, ordem.
Lógico é que na minha... mando eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem moderação torno-me responsável pelo que você diz, por isso, caso comente, publicarei depois de lido. Obrigado por compreender.